quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Pudim de Pão de Queijo


Imagem: Dos autores do Pão e Cerveja

A receita original "pão de queijo com ricota" é da revista Receitas & Delícias, (Pão de Queijo. Receitas & Delícias. Alto Astral: São Paulo, 2008. Ano 9, n. 71), minha companheira na elaboração de pães de queijo, conforme sempre relato nas minhas aventuras na elaboração de pães de queijo. Entretanto, pelo sabor da experiência, pela falta de ingredientes, pela mudança no modo de preparo, geralmente as receitas originais são sempre alteradas.

Esta receita de pão de queijo é de liquidificador. Logo, não precisamos escaldar o polvilho, tarefa tradicional na elaboração de pães de queijo.

A receita original sugere que a massa seja colocada em forminhas de empada, deixando espaço para a massa crescer, porém não fiz assim. Utilizei uma forma de pão retangular de 11 x 28 cm, com 6,5 cm de altura.

O resultado? Um pudim de pão de queijo. O pudim não fica (pelo menos das vezes que fiz) com um aspecto perfeito, conforme relato nas observações abaixo, mas o sabor... o sabor deste pudim vale a empreitada. E é super fácil de fazer... a massa fica super macia com textura de pudim de leite ou caçarola italiana, porém, é claro, com sabor inenarrável de pão de queijo.
Segue a receita elaborada em gramas e em medidas caseiras aproximadas:


Imagem: Dos autores do Pão e Cerveja

Pudim de pão de queijo

Ingredientes:
- 330 gramas de polvilho azedo [2 xícaras de chá (200 ml)];
- 150 gramas de ovos [3 ovos médios];
- 8 gramas de sal [1 colher de sopa de sobremesa (4 ml)];
- 400 gramas de leite [2 xícaras de chá (200 ml)];
- 100 gramas de ricota [1 xícara de chá (200 ml)];
- 50 gramas de queijo parmesão [1 pacote];
- 210 gramas de óleo de soja [1 xícara de chá (200 ml)];
- Óleo de soja para untar levemente a(s) forma(s);

Modo de preparo:
- Misturar todos os ingredientes no liquidificador;
- Untar levemente a(s) forma(s) com óleo de soja e despejar o conteúdo misturado no liquidificador. Usei uma forma retangular de 11 x 28 cm, com 6,5 cm de altura, conforme já relatado, mas o uso da quantidade de formas fica por conta do padeiro;
- Assar em forno pré-aquecido a 220 graus por quarenta minutos ou até ficar dourado.

Observações:
- Colocar preferencialmente os líquidos no liquidificador e incorporar aos poucos os sólidos (facilitando o trabalho de mexer a massa) para não queimar o aparelho;
- A massa por ser bem compacta, não permite que os gases formados na cocção escapem e partes do “pudim” levantam da forma. Não se assustem!!
- O “pudim” cresce bem no forno, porém quando retirado ele abate, resultando num pão que parece um pudim, ou seja, textura super macia;
- Mesmo no dia posterior (quando sobra) a textura do pudim continua a mesma, ou seja, excelente;
- Como controlar o pudim no forno? Ainda não consegui tal proeza. Já tentei colocá-lo numa forma com as laterais mais baixas para que o crescimento se dê em outros sentidos e não só de baixo para cima; já tentei assá-lo em outras temperaturas... mas ainda não consegui. Aceito sugestões!!
- Com essa massa também é possível fazer panquecas, as quais também já fiz, mas isso dá uma outra postagem!!

7 comentários:

Anônimo disse...

Realmente fica muito gostoso, seja quente ou frio.
Eliane

Jean disse...

Prezada Eliane,

Obrigado por visitar o Pão e Cerveja e por ter comentado a postagem. Que bom que alguém concordou que o pudim é bom!!

Volte sempre!

Um abraço e um beijo,

Jean Claudi.

Ela disse...

Adorei esta sua receita. Vou tentar no próximo fim de semana (depois do feriado) e te conto como ficou. Tenho uma forma destas de pão. Vai ser nela mesmo! Bacana o blog. Voltarei.
Ela

Jean disse...

Prezada Ela,

Tente e me diga qual foi o resultado.
Obrigado pelo elogio e volte sempre ao Pão e Cerveja.

Um abraço,

Jean Claudi.

Ela disse...

Abraços!
Obrigada pelos elogios!

pimenta rosa disse...

Olá,

O vosso pudim ficou realmente apetitoso.
cumprimentos

Jean disse...

Prezada Pimenta Rosa,

Além de apetitoso, na minha opinião, também ficou muito gostoso.
Obrigado por visitar o Pão e Cerveja. Volte Sempre!
Um abraço,

Jean Claudi.