sexta-feira, 30 de julho de 2010

La Ronda Nº 26: Uma receita Audaz


O Pão e Cerveja foi convidado pelo Jorge Mario, um colombiano aficcionado por cervejas, do blog La Cerveza de Neo Manza para participar da “La Ronda #26: Una receta Audaz”, cuja tradução é o título desta postagem.

A “La Ronda”, em português "A Rodada", é uma questionamento proposto a diversos blogueiros, a maioria de língua espanhola, sempre sobre um tema cervejeiro. Gracias por la invitación, Manzapivo!

A questão da La Ronda #26 é a seguinte:
"Pues bien, en esta ronda, vamos a poner a trabajar nuestra imaginación para crear una receta totalmente audaz, que sea totalmente inédita (si están en capacidad de trasladarlo de sus mentes a un vaso, sería magnífico), algo que se salga de todo lo convencional y que los más grandes puristas queden escandalizados".


Propor uma receita para escandalizar os mais puristas, audaz, inédita, fora do convencional é uma tarefa muito difícil. Conforme incitou Manzapivo, mesmo colocando a imaginação a trabalhar, definitivamente não é uma tarefa fácil.

Como cervejeiro artesanal, inúmeras idéias já passaram ou passam pela cabeça, algumas com propósito e, sinceramente, outras sem nenhum.

Pensei em algo inusitado há algum tempo, como curiosidade, algo natural de quem está experimentando e experenciando novidades na arte de fazer cerveja: usar boldo no lugar do lúpulo para gerar o amargor.

O boldo (Plectranthus barbatus) é uma erva medicinal utilizada na cultura popular brasileira para problemas digestivos (quando se come algo que faz mal, a dica é tomar um chazinho de boldo). O boldo é muito comum nos quintais das residências, pelo menos aqui no estado de Santa Catarina, sul do Brasil. 

Dele elaboramos um chá (infusão) com as folhas da planta, que tem sabor amargo e muitas pessoas o consideram insuportável (há quem também goste e eu sou um deles).


Usar boldo em cerveja artesanal até pode ser considerado normal, pois os cervejeiros caseiros inventam novas receitas todos os dias com novos ingredientes, mas, creio, que utilizá-lo na elaboração das cervejas mais consumidas no Brasil, as "pilsen brasileiras", na verdade American Light Lager (BJCP 1A, 1B e 1C), seria sim, algo escandaloso, audaz, inédito e fora do convencional.

As "pilsen brasileiras" não possuem quase nenhum amargor, próprio do estilo e nenhum aroma de lúpulo. Creio que a minha sugestão seria uma alternativa à importação de lúpulo e, consequente, valorização do boldo nacional (que seria usado somente a conferência de amargor) e diminuição do preço final da cerveja aos consumidores.

Os mais puristas bebedores das "pilsen brasileiras" ficariam escandalizados em saber que a sua cerveja favorita, aquelas que aparecem na televisão, com propagandas apelativas,  utilizam "chá de boldo" na sua composição. 

Além disso, a cerveja teria caráter digestivo. Quem sabe não é um novo nicho de mercado? Imagine você comunicando à sua esposa que vai beber mais uma cerveja porque está com má digestão. Excelente!!
.

6 comentários:

Tati disse...

Parabéns! Seu blog é show!
Amei tudo que vi e li!!
DEus te abenmçoe!
Bjs!

PS. Vem me fazer uma visita e comente o que achou do meu Blog: http://receitasdatatialves.blogspot.com/

Jean disse...

Prezada Tati,

Que bom que você gostou, muito obrigado pela visita. Volte sempre.

Um abraço,

Jean Claudi.

silvio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
silvio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
silvio disse...

Olá Jean, tudo bom?

Sou cervejeiro caseiro a 2 anos, e agora estou começando a criar receitas experimentais.

Minhas ultimas foi uma dark lager maturada em tâmaras, e uma mild com raspas de tangerina e gengibre.

Agora surgiu uma ideia que bateu com a sua, usar boldo no lugar do lúpulo do amargor. Mas para isso pretendo fazer uma dry stout como base...

Nesse tempo, você conseguiu fazer algo usando boldo?
Tem alguma dica sobre quantidade de uso?

Abraços.
Sílvio.

Jean disse...

Olá, Sílvio,

Tudo bem comigo sim, obrigado. E com você?

Olha, só fiquei na vontade, não fiz nenhuma leva com boldo.

A vontade ainda existe, mas falta é coragem e tempo.

Nos últimos anos a minha produção caiu. Faço poucas levas no ano (nesse ano estou na segunda, somente). E, já pensou ter que jogar uma leva no ralo por causa do boldo?

Desta forma, Sílvio, o desafio ainda está de pé. Quem sabe você não se anima e desenvolve uma cerveja com amargor 100% nacional?

Obrigado por ter lido a postagem do blog e por me fazer voltar no tempo, pois ao reler a postagem muitas lembranças apareceram.

Boa sorte e, por favor, compartilhe a experiência, caso você aceite a empreitada de usar o nosso boldo,

Abraço,

Jean Claudi.