quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Pão Sírio (Pita)

Imagem: Dos autores do blog www.paoecerveja.blogspot.com
Pita ou pão sírio, como é mais conhecido no Brasil, é um pão achatado feito com farinha de trigo. Este pão tem origem árabe e foi introduzido no Brasil no início do século passado por imigrantes sírio-libaneses. Daí o nome "abrasileirado": Pão Sírio.
Acredita-se que os primeiros pães a serem elaborados pelo homem assemelhavam-se ao pão sírio, pois tratavam-se de misturas de farinha de trigo e água, ainda sem o uso da fermentação, assadas sobre brasas ou pedras quentes, sem o uso formas, gerando um pão achatado. A figura abaixo ilustra os dizeres deste parágrafo.

Imagem: <http://en.wikipedia.org/wiki/Image:Pita.jpg>

A forma do pão sírio é adequada à cultura alimentar árabe, que tem o costume de alimentar-se com as mãos. O pão acaba servindo como utensílio para levar à boca outros alimentos: carne, legumes...

Uma curiosidade: estes pães durante o cozimento inflam, resultado da gelatinização e formação da casca que impede a saída dos gases interiores, produzidos pelo fermento e do vapor de água da massa, resultando em miolos "ocos", perfeitos para serem recheados.

Imagem: <http://www.slashfood.com/media/2006/05/nics-pita-bread.JPG>

Imagem: <http://www.pbase.com/soleilmia/image/59816447.jpg>

Encontra-se pão sírio em todas as partes do mundo, resultado da imigração de povos árabes para diversos países. Vale lembrar que a palavra para busca na internet para outros idiomas é PITA. Falando em internet, há um vídeo ensinando a fazer o Pão Sírio (Pita Bread) no site About.com, cuja autora é Natasha Levitan.

Pão Sírio

A receita original é do Curso de Panificação do CEFET/SC.

Imagem: Dos autores do blog www.paoecerveja.blogspot.com


Ingredientes:

  • 6 e 1/4 xícaras de chá de farinha de trigo;
  • 1 envelope (10 gramas) de fermento biológico seco instantâneo;
  • 1 colher de sopa de açúcar;
  • 1 colher de sopa de sal;
  • 5 ovos;
  • 25 ml de óleo de soja;
  • 150 ml de água.

Modo de preparo:

  • Misture todos os ingredientes secos (farinha, fermento, açúcar e sal), homogeneizando a mistura. Obs.: Não colocar o fermento em contato direto com o sal, pode-se desidratá-lo;
  • Incorpore à mistura, um a um, na seguinte seqüência os demais ingredientes, homogeneizando-os: água, ovos e óleo;
  • Sove a massa vigorosamente para a formação do glúten, até obter ponto de véu;
  • Molde uma bola e deixe-a fermentar numa vasilha fechada por uma hora ou até dobrar de volume;
  • Sove a massa por alguns instantes para retirar as bolhas de gás formadas na fermentação;
  • Molde a massa em forma de cilindro com aproximadamente 8 centímetros de diâmetro;
  • Recorte-o em fatias com 1 centímetro de espessura;
  • Polvilhe farinha de trigo sobre a mesa para a realização da modelagem;
  • Com as mãos ou com o auxílio de um rolo de massa, abra cada fatia, obtendo discos com aproximadamente 14 centímetros de diâmetro;
  • Polvilhe farinha de trigo sobre os discos;
  • Coloque-os em formas rasas para o cozimento;
  • Asse-os em forno pré-aquecido a 250 graus, por aproximadamente 8 minutos. Dica: Colocar uma pequena forma com água no fundo do forno, gerando uma atmosfera úmida, a qual favorecerá a crocância da casca e evitará a perda da umidade da massa.

Os pães sírios elaborados ficaram bons... bom formato, boa textura. A receita gerou 12 pães. Alguns pães não inflaram tanto e, conseqüentemente, os seus miolos não ficaram tão ocos, o que facilita na hora de recheá-los, mas nada tão sério que impedisse a sua degustação.
.

9 comentários:

Pão, Bolos e Cia. disse...

Costumamos comprar pão pita que depois recheamos como queremos. Já tinha anotado, há muito tempo, umas receitas para fazer, inclusivé num livro de pão, mas o tempo é curto, agora com esta receita fiquei mais entusiasmado.
Faço tortilas mexicanas, que ainda não publiquei e que ficam muito bem, depois enrolo com os recheios favoritos.

Parabéns pelas pitas.

Jean disse...

Prezado Pão, Bolos e Cia.,

O Pita, que por aqui é conhecido por Pão Sírio, é o tipo de pão que combina com tudo. Seu formato peculiar, que facilita a colocação do recheio, é propício para a elaboração de sanduíches (Em portugal é sandes. Estou certo?).

As tortilhas também estão na minha mira... mas tenho que comprar farinha de milho branco!!
Tentei fazer Arepas (típica da Venezuela), que usa também farinha de milho, mas o resultado não foi bom. Creio que a farinha de milho que temos no Brasil, não é igual a venezuelana.

Mas a vida e as tentativas continuam!!

Muito obrigado pela visita e pelo elogio.

Um abraço,

Jean Claudi.

Pão, Bolos e Cia. disse...

Jean,
Sim as sanduíches por aqui são sandes.
Encontra-se aqui farinha de milho branco, boa para as tortilhas, mas muitas vezes faço só com trigo.
Já fiz arepas, algumas recheadas antes de fritar, mas geralmente faço-as sem rechear para depois molhar (dipar) em molhos como o de maionese de alho, iogurte e ervas... Uso a farinha de milho branca pre-cozinhada que é importada da venezuela é da marca PAN, resulta bem. Esta semana fiz, tirei foto e quando tiver um tempinho publico.

Jean disse...

Prezado Pão, Bolos e Cia.,

Por aqui já procurei e não encontrei a "famigerada" farinha de milho branco. Creio que eu deva procurar mais e procurar direito.

Ficarei de olho nas suas arepas!!

Um abraço e obrigado pela visita,

Jean Claudi.

Anônimo disse...

PREZADOS AMIGOS, FIZ A RECEITA DO PAO SIRIO COMO DEMOSTRADO, MAS O PAO NÃO FICOU OCO, COMO ERA PARA SER MAS SIM FICOU FOFO COMO UM PÃO. VCS PODEM ME DAR ALGUMA INFORMAÇÃO DE COMO ISSO ACONTECEU PARA QUE POSSAMOS TENTAR NOVAMENTE E POR FIM ACERTAR A RECEITA?

Jean disse...

Prezado Anônimo,

Como escrevi na postagem, os pães que elaborei também não inflaram como eu gostaria. Entretanto, era possível ver durante o cozimento, que os discos estavam inflados, parecendo balões, alguns mais, outros menos. Quando retirados do forno, alguns perderam o "ar de balão". Creio, que no meu caso, o choque de temperatura tenha prejudicado um pouco no inflar e o efeito "oco".
A receita como disse é do curso de panificação do CEFET/SC e a fiz, juntamente com os meus colegas, enquanto eu era aluno do curso e, afirmo, que lá os pãezinhos ficaram ocos. Porém, no CEFET, temos fornos apropriados para a cocção dos pães. Lá usamos o forno do tipo turbina, o qual mantém um fluxo de ar sobre os pães com o acréscimo de vapor. Logo, o resultado foi melhor, principalmente em relação ao "ficar oco". Sugeri na postagem, que fosse colocado, no interior do forno uma forma com água, para tentar simular o vapor do forno turbina, mas não é a mesma coisa. Outra coisa que influencia é a temperatura do forno que temos em casa, que indica uma temperatura e dentro temos outra... o pré-aquecimento do forno também é importante, ainda mais que a espessura dos pães sírios são reduzidas... o meu forno, por exemplo, esquenta mais de uma lado do que do outro...
Prezado colega anônimo, são tantas as variáveis... em casa fica mais difícil de controlá-las por não termos os equipamentos mais apropriados. Ainda me faltam termômetros!!! Mas chego lá com paciência...
Mas fazer o quê? O negócio é seguir tentando...

Um abraço e volte sempre ao Pão e Cerveja,

Jean Claudi.

D'ANA KAAS cuisine disse...

Essa receita realmente não infla. E quando infla, fica super seco o pão e quebra todo. Além de ter um gosto muito acentuado de ovo. Procure pela receita da DedeMed. Dá certo e infla. Lembrando que a forma precisa estar quente. E quanto mais alta a temperatura melhor. O pita bread comercial assa em 12 segundos.

Jean disse...

Prezado(a) D'Ana Kass,

Obrigado pela sugestão da receita, mas, conforme afirmei no comentário anterior, os pães com o forno apropriado inflam sim. Até os que faço em caso inflam, não com a frequencia e volume que gostaria.
E discordo quanto ao cheiro de ovo.

E se formos buscar na história, veremos que os comerciais de hoje estão longe da origem do pão sírio. Os comerciais são cozidos sim muito rápido, o que não consigo fazer num simples forno residencial.

Obrigado pela visita, volte sempre.

Um abraço,

Cuka Linck disse...

Pão pita com ovo? Nunca vi disso!
Claro que nunca ficará oco.
O pão pita, receita milenar, é apenas uma mistura de farinha, água e sal. Hoje já podemos acrescentar o fermento sem precisar contar com a fermentação natural da farinha e água.
Deixa-se crescer a massa de 2 a 3 vezes, sendo sovada entre cada crescimento, e depois cada bolinha é aberta em discos, já no formato final do pão. Depois de abertas, as massas são dispostas entre panos, empilhadas, sempre com farinha de trigo dos dois lados, para que fermentem sem crescer, e é isso que fará com que crie bolha de ar no seu interior.